Lotação: 6 leitores em pé e 4 sentados


6.2.09

São Paulo

[Finjam que hoje é 28 de janeiro]

Acabei de chegar de mais uma trip pra SP, terra da garoa e dos congestionamentos massivos. Passei 72h lá, sendo quase 10% delas dentro de um carro, tentando chegar em algum lugar.

Day 1
Pobre é escravo da passagem barata, que por sua vez é escrava dos horários insólitos. Logo, meu vôo de ida foi as 14h30 da tarde de sexta-feira, 23 do corrente, . Vôo este que foi tranquilo, sem escalas e dentro do horário previsto. A escolha pelas passagens para assalariados me deixou em Guarulhos, onde tomei o Airport Shuttle para Congonhas, onde meu fiel amigo Trentas iria me buscar. Quando o ônibus demorou o dobro do tempo normal para chegar, percebi que estava em São Paulo. E por mais masoquista que possa parecer, eu tava gostando. Além do mais, um dos motivos da viagem, a Campus Party, me aguardava. Algum tempo depois, umas 4h entre passar na casa do amigo, comprar cerveja e gêneros de primeira necessidade no supermercado e chegar no pavilhão, lá estava eu pegando minha credencial para a Disneynerdia. Um galpão imenso, com milhares de pessoas, milhares de computadores, centenas de km de cabos de rede, toneladadas de bizarrices cibernéticas, muito testosterona adolescente em excesso e terabytes de conteúdo pirata. Ou seja, fora a parte do hormônio alheio, o paraíso. E além disso, eramos praticamente os únicos ali que tinham bebida alcoólica, devidamente escondida, claro. Rapidamente nos dirigimos à uma mesa, localizada entre os tarados por fotografia e os Guitar Hero freaks, onde o Q3 rolaria solto noite adentro. Eu tinha começado a baixar o último Lost algumas horas antes de embarcar e quando liguei meu note faltava 75% do download. Em 15 minutos, enquanto eu lia emails, baixou o resto. Um a um foram chegando os amigos com seus fiés notebooks e daí em diante foi só jogatina, cerveja, salgadinhos, cookies e M&M's. Essa coisa saudável durou até alguém dizer "CHEEEGA!!", lá pelas 5h da manhã. Levantei da cadeira e minha cabeça parecia que ia explodir. Segundos depois, náuseas. O resultado não foi muito agradável para descrever aqui, mas rapidamente melhorei e fui embora.

Day 2
No sábado o cronograma mostrava almoço na casa da Maggie, que como boa mamma italiana, nos esperava com uma macarronada com funghi daquelas, acompanhada de pão italiano, mozzarella de buffala, beringela em conserva e salada. Tudo regado a coca-cola, porque 75% dos presentes estavam estragados da noite anterior. Conversei com o pequeno Franco e o resto da minha quase-família por horas como sempre. Queridos Fernando, Carol, Marcelo e, mesmo ausente, Zé Emílio. Sempre. Saí de lá no final da tarde, rolando de rir e do tanto que eu ingeri de antipasti, massa, salada, sorvete La Basque e café. Cito uma, a melhor da tarde. O papo era sobre crianças e alguém pergunta pra Maggie: "E o Dani, como era?". Ela devolve, sem piscar: "O Dani? O Daniel era IN-FER-NAL" e conta uma ou duas peripécias dessa lenda viva que voz escreve. Na noite tinha o aniversário da Lulis, onde eu sabia o que iria encontrar: ex-colegas da PUC-SP que não via há 10 anos. Num tal de No Quintal, na Vila Mariana. Barato, cerveja gelada e alguns petiscos que não provei. O grande problema é o atendimento lento demais, a ponto de irritar os clientes. Mesmo assim, ali se bebeu, ali se riu e ali se ficou até a 1h da manhã. Na saída bateu uma fome, uma das melhores coisas que se pode sentir em sampa, paraíso da gastronomia. Acabamos indo na Forneria San Paolo, uma sanduicheria na rua Amauri, antro da patriciada paulistana. No cardápio, diversos panini, feitos com massa de pizza nos formatos baguete, sírio e ciabatta. Há ainda outros com pão de miga uruguaio, deixando mais complicada ainda a escolha do que pedir. Fui de baguete, com calabresa, mozzarella de búfala e salada. Fábio tambem, mas com aspargo, queijo brie e presunto cru. Os dois de comer ajoelhado, putaquepariu, bom demais. O ambiente do lugar é legal, clean e com posters de filmes italianos, rolando um sonzinho de canto. É caro, mas vale cada centavo. Dormi com os anjos barrigudos depois.

Day 3
Domingo era dia de surpresa. Com informações preciosas da minha fiel escudeira Mariana, que passou informações cruciais sobre a programação, resolvi sabotar o aniversário da Bárbara e afofar a pequena Maria. 11h me dirigi para a residência, pondo em prática o plano. Chegando lá, utilizei toda a minha simpatia gaúcha para cuidadosamente instruir o porteiro a tentar driblar a dona da casa, caso esta atendesse o interfone. A ordem era falar somente com o Alexandre e informar minha presença. Subi achando que o plano ia bem, mas segundos mais tarde eu constataria que somente a aniversariante e a filha mais nova estariam no recinto. A surpresa falhou em meio a abraços, beijos e aquela coisa toda. Logo chegou o resto da minha outra quase-família paulistana, que me fez repetir a dose do dia anterior, colocando mais alegria no meu coração. Desta vez o antipasto era pimenta biquinho, a macarronada era à bolonhesa, tinha rocambole de palmito e salada. De sobremesa, docinhos. Se tomou vinho, muito vinho, de 5 tipos diferentes. Saí de lá no piloto automático e ainda tinha mais: degustação de cerveja na casa do Fufa e da Tetê. Fazer o que né? Tem que prestigiar os amigos. A idéia era beber umas loiras e ruivas, depois se atirar num japa e comer até cair. Foi nesta noite que conheci a Colorado, uma marca oriunda de Ribeirão Preto. E gostei. Tomamos a Indica e a Cauim. A primeira uma pale ale mais encorpada e a segunda uma clássica pilsen. Alguns acepipes pra ninguém cair bêbado, mas umas e depois fomos atrás de um japa bom nas cercanias (Pompéia). Após alguns frustrantes minutos procurando, optamos por uma pizzaria, a O Pedal. Logo soube que a dona era gaúcha, ou seja, já sabia que vinha coisa boa pela frente. O lugar serve pizza a metro, com opções de ¼, ½ e 1 metro. Comemos 1,5m de shitake, calabresa e margherita. Massa fina e crocante, boa dose de cobertura e Original gelada. Bom, bonito e barato, recomendo muito.

Day 4
Segunda-feira, dia de ir embora, a idéia era almoçar num japa. Pra facilitar aos que estavam trabalhando, fomos no Hideki. Sem dúvida um dos melhores japoneses que já fui. Uns 10 tipos de sashimi, outros tantos makis, tempuras de camarão e de legumes, yakisoba, missoshiro e outras tantas coisas mais. Tudo perfeito, bem cortado, bem montado e me esperando no buffet. Comi horrores, com avidez e grandes goles de Original. Acabado o recreio para os outros, sobrei eu com tempo pra gastar até a hora de embarcar, 21h50. O que um gaúcho faria numa tarde de segunda-feira em São Paulo? Sim, isso mesmo, visitaria o Záffari. É, lá eles escreveram assim, com acento no primeiro "a" porque tinha gente falando Zaffári, coisa totalmente imperdoável por aqui. O grupo do esquilinho saltitante construiu um mega-master-blaster shopping por lá, enquanto aqui segue me apresentando aquele aglomerado de lojinhas pra portoalegrense ver. A única coisa igual é o supermercado, o resto é shopping de verdade, tanto que o primeiro iMax do Brasil tá lá. Na minha tarde vaga, comprei uns presentes e pensei em ir no tal do iMax, mas a sessão era as 16h, o que deixaria o horário meio apertado, pois o shopping era longe demais das minhas malas. Desisti. Resolvi então visitar o Nelsinho e com ele tomar umas canas, conversar frivolidades e seriedades, tudo isso a 20 minutos das minhas malas. Como ele tem a vida ganha, tava em pleno começo da semana em casa, de pijamas e chinelos, só especulando no mercado financeiro. Após uma breve visita, ele colocou o traje de passeio e nos dirigimos para o Osnir, renomada lancheria do bairro. Tem um beirute famoso lá, mas eu não tava conseguindo nem comer a azeitona da empadinha, de tanto peixe cru no estômago. Optei pelo chopp e cutuquei umas 6 batatas fritas na maionese caseira dos caras, que é bem boa. As 18h e ponto, pouco tempo depois da chuva chegar eu saí de carro pra percorrer os ditos 20 minutos, ouvindo música tranquilo, porque tinha deixado 1h30 de folga no cronograma. Claro, num mundo sem chuva e sem os milhões de carros de SP isso seria mais do que suficiente. Não foi. Demorei quase 3h para percorrer aqueles singelos 20 minutos, afundando qualquer possibilidade de chegar em Guarulhos a tempo. Remarcada a passagem, obviamente com um custo quase igual ao valor dela, adiei para o outro dia. Para recuperar o bom humor, pedi um chesse egg do Burning Burger. Ela foi testemunha via webcam de como tava excelente.

Extra Day
Terça-feira, dia de ir embora de novo. Almoço no vegetariano bem legal, passeio no shopping eldorado, sorvete na Parmalat. Me toquei pro aeroporto às 17h, para não dar mole pro azar de novo. 18h eu tava lá, fiz meu check-in e fui para a agência da telefonica a fim de conectar na internet e passar meu tempo agora abundante. Aguentei 1h apenas, porque não havia ar-condicionado e a cadeira era uma merda. Vaguei um pouco pelo aeroporto e resolvi ir pra sala de embarque antecipadamente pra assistir o episódio o lost.s05.ep02. Chamaram para o embarque e finalmente voltei.

Nota: Mais uma vez não encontrei a mineirona, talvez consiga na próxima volta do cometa Halley.

:)

9 comentários:

Luciane disse...

Descrição impagável da saga paulista. Principalmente a parte em que tu dormiu com anjos barrigudos!
E só para constar: fui testemunha e vítima de tortura vendo aquele cheese egg absurdo e aquelas batatas gigantes que tu comia com uma vontade que dava gosto de ver. E eu babando do outro lado da tela. :)

Daniel disse...

sem esquecer da maionese voando no monitor, espetáculo.

Madureira disse...

tu me lembrou que o osnir tem site!! boa, vou fazer pedidos online, já que é tão longe de casa.
*
maior remorso aquela noite, por ter assegurado: nããão, fica tranquilo, rapidinho tu chega...

Kelen disse...

Dani, Dani, às vezes com essa tua carinha meiga esqueço que tu é um BAITA nerd.
.:.
Sushi com Original é? Dá licença que vou até ali fazer o que tu quase fez (ou realmente fez) no primeiro dia!

Daniel disse...

fica frio Madura, foi por uma boa causa.

Eu sou mesmo, com orgulho. E cerveja vai bem com tudo! :P

Anônimo disse...

A surpresa que vc fez vindo ao meu aniversário foi muito legal, dani, fiquei muito feliz.

Kako disse...

2 x 1. MAMA com gosto. :)

Daniel disse...

mamar jogando melhor é pior ainda.

Marga disse...

Fiquei com fome.


Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons